DojoRio@UFF – 26/08

sábado, 4 setembro 2010

Pessoal,

Rolou mais uma sessão de dojo. aconteceu na sala 448 do prédio da engenharia. O problema escolhido foi o de pesar as pedras onde a entrada seria o numero de pedras que vc tinha e o peso de cada uma delas, e um peso que vc queria atingir na balança, e a saída seria a resposta se era posssível ou não atingir esse peso exato com aquelas pedras e a linguagem escolhida foi Python. Estavam presente as seguintes 13 pessoas:

Os pontos positivos foram:

  • Aprendizado de Python +++++++
  • Python! ++++
  • Muitas Pessoas +++
  • Orientação a Objetos
  • Surpresa pro dojo da Noite
  • Dojo alternativo
  • Ótimo problema +++
  • Explicações sobre Estruturas de Dados ++
  • Aprender sobre dicionários +
  • Chegar cedo e entender tudo
  • Linguagem nova
  • Calouros participando +++
  • Bom Horário
  • Compartilhamento de idéias
  • Bem explicado ++
  • Inventar o problema na hora
  • Conseguir a sala na hora
  • Thunder methods +
  • Voltar ao dojo
  • Poder programar!
  • iPython +
  • dojotools

Os pontos a melhorar foram:

  • Nem todos programaram
  • código não andou muito
  • Sem comida
  • Refatoração atrapalhou um pouco
  • Vou trancar métodos II
  • Não ter terminado
  • Não almoçar antes do dojo!
  • Galera apática
  • Fome ++
  • Sem ventilador nem ar, muito calor +++

Como sugestão ficou:

  • Alguem terminar o código
  • Variar mais as linguagens

Até a próxima!


Dojo@IFF [16]

quinta-feira, 2 setembro 2010

Dia 01-09-2010

Problema: Rouba Montinho -> Código / Fotos

Nessa quarta aconteceu mais um Dojo IFF. A maioria dos participantes não conhecia a linguagem escolhida, que foi Ruby, mas mesmo assim todos gostaram. Quem não conhecia gostou, e todos participaram. Mesmo aqueles que vieram pela primeira vez, o que foi muito positivo. Uma coisa ruim é que o nosso horário – 18.30h – as vezes é complicado para quem estuda a noite, então alguns participantes tiveram que ir para a aula, e depois voltar para o Dojo.

No início do Dojo, ficamos conversando e pensando nas possibilidades do problema. O escolhido foi: Rouba Montinho (ou Rouba Monte), aquele típico jogo de baralho. Conversamos sobre as classes e jogadores e pensamos na maneira mais simples de se fazer. O jogo consiste em ter uma mesa com 4 cartas iniciais, e o jogador com 3 cartas iniciais na mão. A idéia do jogo é que o jogador1 forme pares com as cartas disponíveis na mesa e na mão, colocando assim no seu respectivo montinho. Se um outro jogador tiver na mão uma carta que corresponda a última carta no montinho do jogador1, ele pode ‘roubar’ o montinho. Ganha o jogador que tiver o maior montinho.

Não chegamos a implementar o jogo até o fim, fizemos apenas duas situações: a que o jogador1 não tem nenhum par e deve se desfazer de uma carta, e a que o jogador1 tem um par. Foi muito legal, e fizemos a nossa retrospectiva:

Retrospectiva

Roubamos 🙂

– problema legal

– todos participaram

– gente nova

– a galera curtiu a linguagem

Fomos roubados 😦

– sala sem ar (de novo!)

– projetor deu mil problemas e ajudou no atraso (quase 1h)

– ninguém trouxe problemas previamente

PS: para a retrospectiva, o fato de a maioria não conhecia a linguagem, ficamos na dúvida de ser um ponto bom ou ruim….

Participantes

Mari

Ruhan

Rebeca

Caio

Weslleymberg

– Ewerton

– Andre

Anderson

PS: Valeu Rebeca! O relato ficou show 🙂


Dojo@IFF [15]

quinta-feira, 2 setembro 2010

Dia 25-08-2010

Problema: Palíndromo Silábico -> Código / Fotos

Durante as férias do IFF não tivemos Dojo, e as aulas voltaram no começo do mês, mas deixamos para voltar com o Dojo essa semana por questão de tempo e para aproveitar o público de um evento que aconteceu hoje (dia 25/08) por aqui.

Bem, esse Dojo teve uma peculiaridade de troca de linguagem no meio e a “culpa” foi desta que vos fala… Vou explicar, nas palavras do Tarsis Azevedo, que fez um relato resumido deste Dojo:

“Bom, o dojo começou em ruby e o problema vc (Mari) quem definiu, pois ninguém tinha trago nenhum outro. A idéia seria verificar que palavras tem sílabas iguais tanto lidas a partir da primeira até a última sílaba quanto ao contrário, que pareceu bem legal devido as peculiaridades da lingua (p mudos, etc…)

Aí, você teve que sair =/ (fikei puto), logo o guru de ruby nao estava presente entao o dojo não andou.

Como os demais presentes sacavam muito de Ruby/Python/OO/TDD, tivemos que decidir o que fazer….

Entao, como você saído e o problema nao tava andando, resolvi mudar pra python pra explicar a dinâmica do dojo pros novatos.

E eles gostaram muito. Foi amor a primeira vista, entenderam a importância dos testes, parearam, aprenderam python “na marra”, foram introduzidos(Olha!) em OO e isso tudo em menos de 1hr.

Enfim o dojo provou seu valor novamente! :D”

Retrospectiva (essa foi feita em primeira pessoa, considerando o que foi levantado por cada uma das pessoas e suas sensações)

PO – XA 😦

  • Não sei Ruby
  • Não sei Python
  • Dojo no horário de aula
  • Sala sem ar condicionado
  • Ruby #fail

FA – RO – FA 🙂

  • Galera nova
  • Conheci Ruby
  • Aprendi Ruby
  • Aprendi Python
  • Aprendi OO
  • Conheci o Dojo
  • Proatividade
  • Divulgação Maneira

Participantes:

* Tarsis

* Mari

* Ruhan

* Andre

* Weslleymberg

* Ewerton